Primeiro de Março 2024

Alan Dubner
11 min readMar 2, 2024

O Futuro é Aqui e Agora

Hoje, no Dia Mundial do Futuro, temos que nos questionar o que é e o que será a Realidade. Sim, a realidade! A realidade sempre foi a realidade percebida que acreditávamos ser a verdadeira realidade. Como se isso fosse possível.

“Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada.” Clarice Lispector

SORA, o incrível gerador de vídeos através de textos da OpenAI, foi lançado em 15 de fevereiro para ser testado pelos chamados RED TEAMERS, que são especialistas em segurança e estabilidade cibernética. As centenas de aplicativos que permitem e continuarão permitindo a gerar ferramentas para escolher, por nós, a realidade que queremos e nem sabíamos que queríamos.

Não existe mais a possibilidade de “ver para crer”, não existe mais a “verdade”, não existe mais a “evidência científica”, não existe mais encontrar o “fio da meada”, não existe mais a “realidade objetiva”. Seja discutir se a Terra é plana ou se a inteligência artificial é inteligente, não temos como estabelecer um sistema de crenças e valores que atenda a todos. Se não bastasse pensar diferente, o jogo de manipulação das emoções em busca de vender mentiras é uma indústria muito bem-sucedida no sentido de convencer grupos enormes de pessoas a acreditar no inacreditável. Nesse tempo de “pós-verdade” que se intensificou com a geração manipuladora de fake news que, mundialmente, se iniciou no Brasil nas eleições de 2014 e depois se consolidou em 2016 com o Brexit (junho) no Reino Unido e as eleições nos Estados Unidos (novembro). Essas três realidades (Brasil, Reino Unido e Estados Unidos) tiveram seus resultados completamente alterados pelas ações intencionalmente criminosas. O dicionário Oxford escolheu o termo “pós-verdade” como a Palavra do Ano em 2016. Ela justificou sua escolha em seu site: “O conceito de pós-verdade existe há uma década, mas os Dicionários Oxford registaram um aumento na frequência este ano no contexto do referendo da UE no Reino Unido e das eleições presidenciais nos Estados Unidos. Também foi associado a um substantivo específico, na frase política pós-verdade.

“Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data.” Luís Fernando Verissimo

Cada um acredita no que quer… não é assim? Pior, é que não! Se você acredita numa verdade que está fora das duas únicas escolhas da polaridade, você está completamente fora da realidade. A polaridade faz com que as pessoas acreditem (por incrível que pareça) que se você não está do lado delas, você está — impreterivelmente — do outro lado. Os exemplos são abundantes! Só de mencionar qualquer exemplo, ficarei sendo visto por ambos os lados como alienado. Além de possibilitar comentários agressivos por não estar vendo a realidade, a realidade deles. No Brasil ainda persiste a polaridade política entre duas opções, a meu ver, abomináveis. Poderia se pensar que isso levaria ao surgimento de outras opções melhores. Mesmo que você acredite que os dois tem uma lista gigantesca de pontos que você repudia, não adianta… se você não escolhe um lado é porque você é do outro. Com isso os dois lados mantem um ao outro. Isso não acontece só no Brasil. Essa dissonância cognitiva está ocupando a maior parte do planeta e se reflete na emergência climática, guerras, risco nuclear, fake news, contaminação dos alimentos, transição energética e tantas outras questões relevantes do Aqui e Agora que desenharão o futuro. Feliz Dia Mundial do Futuro! Que seja regenerativo!

“As palavras verdadeiras não são agradáveis e as agradáveis não são verdadeiras.” Lao-Tsé

O futuro do que chamamos de Inteligência Artificial, está gerando no imaginário das pessoas, todo tipo de cenário. Dos mais catastróficos aos mais prazerosos. O que é difícil explicar é que o IA não tem inteligência própria e, que apesar de gerar soluções surpreendentes, continua sendo manipulado por seres humanos em que seus resultados que foram previamente programados. O aprendizado ocorre por tentativa e erro e um algoritmo é o que estabelece o que é o certo e o errado. Porém, a sofisticação de possibilidades e a velocidade em responder pode fazer a máquina (AGI — Artificial General Intelligence) superar a nossa própria capacidade de dar respostas. Um exemplo simples seria o de uma calculadora eletrônica em que as possibilidades de fazer cálculos altamente sofisticados e gerar resultados imediatos são impressionantes apesar de já não nos surpreendermos mais com isso. Um outro exemplo bem mais sofisticado é a do próprio computador em que nos possibilita fazer milhões de coisas e, no entanto, ele entende apenas dois comandos: ligado e desligado. Os famosos 0 e 1. Passa energia ou não passa energia. A combinação de apenas esses dois comandos é que possibilitam os milhões (talvez bilhões) de resultados. Isso é extraordinariamente impressionante, mas nem pensamos mais nisso. Usamos o computador, o celular, o tablet sem ficarmos constantemente perplexos com o funcionamento e seus resultados. Agora, ao usarmos algo muito mais simples como um sistema de modelagem de linguagem (LLM — Large Language Model) como o ChatGPT ou BARD (Google), conseguimos acreditar que há inteligência neles. Não há! Simples assim! O “Sora” lançado para testes pela OpenAI é fascinante porque permitirá gerarmos filmes com apenas um script em texto. Claro que é impressionante! Nós, seres humanos, somos incríveis! A questão é de como será usado.

“Nada é permanente nesse mundo cruel. Nem mesmo os nossos problemas.” Charles Chaplin

A competição pelo mercado de usos e aplicações para IA está gerando uma quantidade gigantesca de opções inovadoras. O salto quântico na velocidade irá possibilitar o uso em real time. Sam Altman já anuncia isso para o ChatGPT-5. Com isso não será necessário treinar o chatbot e possibilitará uma interação simultânea com o usuário. Hoje já existem influenciadores famosos gerados pelo IA. Um influenciador (influencer) não precisa utilizar inteligência, ele apenas reproduz o que estiver emergindo. Passa a sensação de que ele está trazendo uma novidade e influenciando as pessoas que o seguem. Na verdade, quanto mais famosos ficam mais cedo recebem as dicas do que está emergindo e simplesmente as reproduz, um sistema de IA pode facilmente fazer isso. Um bom exemplo de reprodução de voz pelo texto é o PlayHT que pode imitar qualquer voz em segundos. Acabou a certeza de que você reconheceu a voz. Fraudes já estão sendo aplicadas. Com vídeo (deepfake) isso se amplia mais ainda. Os robôs, até então personagens de ficção cientifica ou atração em feiras, vão começar a se espalhar pela significativa redução de custo. Vamos começar a nos familiarizar com eles. Com esses avanços no AI, os jogos eletrônicos estarão cada vez mais sofisticados com possibilidades de personagens aprenderem comportamentos específicos como os personagens não jogáveis (NPC — non playable character ) que poderão interagir (antes não podiam) e absorver novas características, tornando o seu game único. Deverá começar por criadores fora do main stream, porque terão questões éticas entre outras coisas. O desenvolvimento de assistentes pessoais (personal assistant) também serão ampliados pelo uso do AI que poderão cuidar de tarefas que exijam pesquisas, desenvolvimento de conteúdos e podem até postar sozinhos e rapidamente uma imensa quantidade de textos. Por exemplo, lerem e responderem comentários. Surreal, né?

Vou recomendar novamente o episódio “Joan is Awful” da sexta temporada do Black Mirror no Netflix. Se ainda não viu, imperdível!

“As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras.” Nietzsche

Carta ao meu neto

Daqui exatamente seis dias você fará o seu primeiro aniversário. Logo nos primeiros dias tivemos uma conexão tão forte que fizeram o tempo e a nossa energia serem de uma profunda paz. Um aqui e agora onde nada mais importava. Fui montando sua playlist, aprendendo quais eram as cores, sabores e sons que te tranquilizavam e davam peso ao seu sono. A primeira música (You are not Alone) já afirma que você não está sozinho. E não está mesmo!

O mundo que você embarcou é… o que é! E sendo, será! Para todas as questões que forem surgindo, o amor será sempre a melhor opção. Escolha sempre o amor!

Os próximos anos serão uma revisão da nossa crise civilizatória pela qual estamos passando. Escolheremos, enquanto humanidade, conscientemente ou não, qual o caminho seguiremos para deixar um legado a vocês. Escolher que somos natureza e que, portanto, não há nada mais importante do que nos regenerarmos. Para isso será necessária uma intervenção espiritual onde haverá uma transição significativa em nossas crenças e valores e aceitaremos renunciar ao que fazemos hoje na economia, na educação, na saúde, na política e na religião. Não podemos deixar o fardo dessa transformação para vocês, precisamos urgentemente ouvir a voz do coração, a voz do amor e a voz da gratidão por estarmos vivos e vivendo. Precisamos acessar a ancestralidade de quando vivíamos em comunhão com a Natureza e retornar com as muitas das sabedorias adquiridas para viver nesse novo tempo. Não sei se a aceleração de coisas ruins estão aí para acelerar o movimento contrário (reação) das coisas boas. Espero que sim, esperanço que sim.

Você pode contar comigo sempre! Estarei ao seu lado visível ou invisível, estarei sempre com você!

Efemérides

1º de março 2023

https://medium.com/@alandubner/primeiro-de-mar%C3%A7o-2023-78946c2463e1

“A realidade que vemos é diferente da realidade que os outros veem, no entanto agimos como se víssemos a mesma ou, pelo menos, uma bem parecida. Quando Joseph Campbell disse que a “Mitologia é a Religião dos Outros”, estava denunciando que temos a percepção de que o que acreditamos é “a” realidade, enquanto os outros acreditam em fantasias. Genial como sempre!

Nesse contexto é cada vez mais difícil manter uma conversa gerativa sobre qualquer assunto. Sendo que alguns temas, só de mencionar o título, gera um completo fechamento para ouvir o outro… um outro olhar! Só uma escuta generosa pode alterar esse estado em que nos encontramos hoje.

Algumas questões para exemplificar. Origem do COVID19: vazou de um laboratório ou de um animal exótico (pangolim)? Formato da Terra: plana ou redonda? Robinho e Daniel Alvez: culpados ou inocentes? Chuvas em São Sebastião: mudança climática ou evento isolado? Invasão da Russa na Ucrânia: crime ou dever? Monark e Nikolas Ferreira: adequados ou inadequados? Vacina contra a Covid-19: faz bem ou faz mal? Pessoas que invadiram e depredaram prédios do governo no dia 8 de janeiro: patriotas ou criminosos? Disco voadores: existem ou não existem? Garimpeiros em terras indígenas: trabalhadores honestos ou genocidas? Aborto: legaliza ou criminaliza? 1º de abril de 1964: revolução ou golpe? Salário de jogador de futebol: justo ou exagerado? Eleições: são fraudadas ou não?

Na verdade, não temos como responder objetivamente nenhuma dessas perguntas, muito menos… um sim ou não! Porém não só acreditamos que sabemos as respostas como ficamos admirados como os que não pensam como a gente. Nenhuma das questões acima pode existir como estão formuladas. Nada é somente certo ou errado, sim ou não, esquerda ou direita, dor ou prazer, pobre ou rico, grande ou pequeno, frio ou calor e assim por diante. O olhar para cada uma delas é complexo e precisa ser visto sistemicamente.”

1º de março 2022

https://medium.com/@alandubner/primeiro-de-mar%C3%A7o-ce18ea412116

“Hoje, 1º de março, é o Dia Mundial do Futuro. Que futuro é esse? Se o futuro é o resultado das ações do presente… que presente é esse?

Aparentemente a humanidade está conspirando para a extinção ou drástica redução de si mesma. E o pior é que nos consideramos animais racionais e inteligentes. Seriam as ações cometidas contra nós mesmos apenas uma forma da natureza reagir a uma espécie invasiva (praga)? Prefiro não acreditar nisso. Prefiro acreditar que temos centenas de milhares de boas sementes germinando nas novas gerações e que vão florescer para alterar o rumo ditado atualmente pela grande minoria de déspotas, seus fiéis seguidores e uma enorme maioria de colaboradores através do silêncio ou das ações de banalidade do mal.

A Rússia está atacando a Ucrânia desde o dia 24 (23 no Brasil) de fevereiro e o Putin declarou nesse mesmo dia que quem tentar impedir ou criar ameaças para o país ou seu povo, “a Rússia responderá imediatamente e levará a consequências nunca enfrentadas em toda sua história”. No último domingo (27/02) Putin acabou com a aparente tranquilidade de qualquer ocidental que acreditasse estar a uma distância segura do campo de batalha. Ele ordenou que as forças nucleares russas mudassem para um estado de alerta mais alto que ele chamou de “prontidão de combate especial”.”

1º de março 2021

https://medium.com/@alandubner/primeiro-de-mar%C3%A7o-81da058aa0ae

“No dia 11 de fevereiro celebrei os 30 anos de encontro com a minha cara-metade. Com certeza a coisa mais importante que aconteceu na minha vida. Agradeço a muita coisa dessa vida que foi muito generosa comigo, encontrar a Deborah foi uma iluminação que gerou e gera o viver a vida. Viver a Vida em versão original! Esse é também o título do livro que conta a nossa história e que nesse mês ganhou um formato digital. Fiquei na dúvida de escrever a palavra “coisa”, existem preconceitos com ela. Olhando rapidamente no Ecosia (a versão ecológica do Google que sempre uso) descobri o quanto ela é versátil e tem muuuuitos significados. Ela pode ser substantivo, adjetivo, advérbio e até verbo. O significado que mais encontrei foi: “Tudo o que existe ou que pode ter existência”. Não é demais? Portanto mantenho que encontrar a Deborah foi a coisa mais importante da minha vida!

Hoje de manhã, assisti ao Davos Lab Brasil na TV Folha. Foi muito bom! O que sempre me impressiona são aquelas pessoas que ficam no chat jogando palavras de ódio. Elas entram para isso! O que faz alguém entrar num evento que não aprecia e ficar falando mal de tudo e de todos? Com tanta coisa importante para fazer o que faz alguém perder tempo e energia com isso? Vamos excluir as pessoas que se submetem (banalidade do mal) a receber dinheiro para fazer atos destrutivos e aos robôs programados para isso. Ainda resta uma quantidade enorme de pessoas que covardemente, em seu anonimato, insistem em disseminar vibrações negativas. Existem pessoas que preferem torcer para que o time do outro perca do que o seu ganhe. Estranho, né? Vota num outro candidato para que o que não gosta perca. Sim, parece surreal, mas é a realidade! Uma pessoa escolhe um candidato de sua preferência, mas não vota nele porque acredita que deve votar no candidato que as pesquisas mostram que tem mais chance contra um do qual é contra. Com isso, sempre ganha um candidato que não é o da sua preferência! Como pode uma coisa dessas ser boa para a democracia? Por que as pessoas, na sua maioria, escolhem ser do contra? Como elas fazem para se justificarem consigo mesmas? A resposta é reduzindo a dissonância cognitiva, através de artifícios imaginários (histórias).”

1º de março 2020

“Hoje, primeiro de março de 2020

A semana do Carnaval termina hoje e amanhã é quando, pejorativamente, se diz que o Brasil começa a trabalhar. A questão da sustentabilidade nunca esteve tão mal e olha que já esteve inacreditavelmente mal nos últimos 10 anos. O que será necessário para que esse jogo vire no Brasil e nos EUA? O principal é saber que TODOS nós podemos fazer alguma coisa, por menor que seja. Se ficarmos apenas reclamando estaremos sendo cumplices dessa tragédia.

Na carta de fevereiro subestimei o possível impacto do novo Coronavírus no mundo. Não havia casos de mortes fora da China e nem nome o vírus tinha. Mantenho a ideia de que as mídias vêm gerando um pânico que em nada ajudam. Acredito, também, que já estamos num estado de pandemia apesar de não ter sido declarado ainda.”

--

--

Alan Dubner

Consultoria em Sistemas de Aprendizagem e Educação para Sustentabilidade