Primeiro de Março

Tudo que precisamos é… Amor!

Hoje, 1º de março, é o Dia Mundial do Futuro. Que futuro é esse? Se o futuro é o resultado das ações do presente… que presente é esse?

Aparentemente a humanidade está conspirando para a extinção ou drástica redução de si mesma. E o pior é que nos consideramos animais racionais e inteligentes. Seriam as ações cometidas contra nós mesmos apenas uma forma da natureza reagir a uma espécie invasiva (praga)? Prefiro não acreditar nisso. Prefiro acreditar que temos centenas de milhares de boas sementes germinando nas novas gerações e que vão florescer para alterar o rumo ditado atualmente pela grande minoria de déspotas, seus fiéis seguidores e uma enorme maioria de colaboradores através do silêncio ou das ações de banalidade do mal.

A Rússia está atacando a Ucrânia desde o dia 24 (23 no Brasil) de fevereiro e o Putin declarou nesse mesmo dia que quem tentar impedir ou criar ameaças para o país ou seu povo, “a Rússia responderá imediatamente e levará a consequências nunca enfrentadas em toda sua história”. No último domingo (27/02) Putin acabou com a aparente tranquilidade de qualquer ocidental que acreditasse estar a uma distância segura do campo de batalha. Ele ordenou que as forças nucleares russas mudassem para um estado de alerta mais alto que ele chamou de “prontidão de combate especial”.

De todo o noticiário, o texto do Yuval Harari de ontem (28/02) no “The Guardian”, foi o que mais gostei. O título já diz tudo: “Por que Vladmir Putin já perdeu essa guerra.”

Separei alguns trechos:

“Com menos de uma semana de guerra, parece cada vez mais provável que Vladimir Putin esteja caminhando para uma derrota histórica. Ele pode ganhar todas as batalhas, mas ainda assim perder a guerra. O sonho de Putin de reconstruir o império russo sempre se baseou na mentira de que a Ucrânia não é uma nação real, que os ucranianos não são um povo real e que os habitantes de Kiev, Kharkiv e Lviv anseiam pelo governo de Moscou. Isso é uma mentira completa — a Ucrânia é uma nação com mais de mil anos de história, e Kiev já era uma grande metrópole quando Moscou nem era ainda uma vila. Mas o déspota russo contou sua mentira tantas vezes que aparentemente ele mesmo acredita nela.”

“A cada dia que passa, fica mais claro que a aposta de Putin está falhando. O povo ucraniano está resistindo de todo coração, conquistando a admiração do mundo inteiro — e vencendo a guerra. Muitos dias sombrios estão por vir. Os russos ainda podem conquistar toda a Ucrânia. Mas para vencer a guerra, os russos teriam que controlar a Ucrânia, e eles só podem fazer isso se o povo ucraniano permitir. Isso parece cada vez mais improvável de acontecer.”

“Ao derramar cada vez mais sangue ucraniano, Putin garante que seu sonho nunca será realizado. Não será o nome de Mikhail Gorbachev escrito na certidão de óbito do império russo: será o de Putin. Gorbachev deixou russos e ucranianos se sentindo como irmãos; Putin os transformou em inimigos e garantiu que a nação ucraniana daqui em diante se posicione em oposição à Rússia.”

“O déspota russo deveria saber disso (nações são construídas por histórias) tão bem quanto qualquer um. Quando criança, ele cresceu alimentado por histórias sobre as atrocidades alemãs e a bravura russa no cerco de Leningrado. Ele agora está produzindo histórias semelhantes, mas se colocando no papel de Hitler.”

Texto publicado no The Guardian

Harari vem, há alguns anos, nos alertando para os três principais perigos para o futuro da nossa humanidade que exigiriam uma cooperação global: guerra nuclear, colapso ecológico e disrupção tecnológica. Estamos, no momento, vivenciando intensamente esses três perigos.

Nessa constante guerra de polarização — somos sempre nós contra eles — Quem somos nós? Rússia contra o resto do mundo menos China, Índia, Brasil, África do Sul (BRICS?) e alguns outros mais tímidos. Portanto estamos do lado da Rússia, correto? Estamos do lado da Rússia da mesma maneira que os russos estão do lado do Putin. Novamente… quem somos nós e quem são eles? De alguma forma Putin está conseguindo realizar um fato inédito: unir todo o mundo para o lado do “nós” independentemente de seu país de origem, crença religiosa, ser a favor ou contra as vacinas de covid19, time que torce, partido político e até mesmo se está ou não no metaverso.

Além do Dia Mundial do Futuro, hoje é Carnaval a festa mais popular do Brasil. Uma festa de origem bem antiga que foi cristianizada em que se prepara para a entrada da Quaresma onde o jejum de carne é (ou deveria ser) obedecida por 40 dias. O “carnem vale” (adeus a carne) é uma festividade onde os excessos são, de alguma forma, permitidos. Talvez estejamos vivendo um momento de “carnem vale” da humanidade e espero que os excessos estejam chegando ao fim para e que nós possamos sobreviver a esse carnaval.

Nesses últimos dias de insanidade dentro das fronteiras da Ucrânia, uma foto romântica de um casal, a russa Juliana Kuznetsova e seu noivo ucraniano cobertos com suas respectivas bandeiras, viralizou nas mídias sociais. Apesar de bem significativa para esse momento, a foto não foi tirada durante os conflitos dessa semana como se acreditou. Na verdade, ela foi tirada durante um concerto de música em Varsóvia, na Polonia em 2019.

Imagens com gestos de amor em momentos de conflito são manifestações de rara beleza. A foto (acima) desse texto foi tirada pelo fotógrafo Rich Lam, durante uma manifestação nas ruas de Vancouver em 2011. A foto é perfeita: emoldurada por um policial desfocado em primeiro plano e a fumaça com a multidão ao fundo, ali, no meio de um tumulto, um casal se beijando no meio de uma rua de Vancouver, praticamente brilhando na iluminação das luzes da rua. Chegou-se a pensar que a foto foi posada de tão bela que é. Um vídeo feito por um morador de um prédio em frente mostra (de cima) quando policiais derrubam e agridem com violência o casal. O rapaz, Scott Jones, relatou que depois que foram agredidos beijou Alex Thomas para acalmá-la. O casal de namorados, Scott (australiano) e Alex (canadense) se casaram e hoje moram na Austrália. Quando vemos uma imagem dessas, temos certeza de que tudo que precisamos é… Amor!

All We Need is Love”, uma das mais significativas músicas compostas por John Lennon. Ela foi encomendada em junho de 1967 pela BBC de Londres para fazer parte de uma transmissão, pela primeira vez, ao vivo. Esse ambicioso programa foi chamado de “Our World” (Nosso Mundo), o primeiro programa de televisão global do mundo, que propunha ligar 25 países em cinco continentes simultaneamente por satélites que orbitam a Terra. Teve um alcance de mais de 400 milhões de espectadores, tornando este o programa de televisão mais ambicioso e histórico de seu tempo. John criou uma música com uma mensagem simples de entender mesmo para o quem não falasse inglês. Uma mensagem de amor para um mundo global unido ao vivo. O evento teve participação de convidados como Mick Jagger, Eric Clapton, Marianne Faithfull, Keith Richards, Keith Moon e Graham Nash. All You Need is Love é até hoje um hino que resume tudo que precisamos: Amor!

Poucos anos depois John Lennon nos deixa outra mensagem:

“Imagine não haver o paraíso

É fácil se você tentar

Nenhum Inferno abaixo de nós

Acima de nós, só o céu

Imagine todas as pessoas

Vivendo o presente

Imagine que não houvesse nenhum país

Não é difícil imaginar

Nenhum motivo para matar ou morrer

E nem religião, também

Imagine todas as pessoas

Vivendo a vida em paz

Você pode dizer que eu sou um sonhador

Mas eu não sou o único

Espero que um dia você junte-se a nós

E o mundo será como um só

Imagine que não ha posses

Eu me pergunto se você pode

Sem a necessidade de ganância ou fome

Uma irmandade dos homens

Imagine todas as pessoas

Partilhando todo o mundo

Você pode dizer que eu sou um sonhador

Mas eu não sou o único

Espero que um dia você junte-se a nós

E o mundo viverá como um só”

--

--

--

Consultoria em Sistemas de Aprendizagem e Educação para Sustentabilidade

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alan Dubner

Alan Dubner

Consultoria em Sistemas de Aprendizagem e Educação para Sustentabilidade

More from Medium

How have call center operations evolved in the last few years?

The evolution of call center operation

The Universe: Of Beginnings and Endings

World of Adventure: Spent indoors.

Reflecting on the past for a better tomorrow in Public Transportation